Onde você descobre as coisas mais legais do mundo…

Aborto: Conheça o livro que auxilia as mulheres sobre o assunto de maneira surpreendente

Um dos muitos temas que estão sempre em debate é o aborto. Esta é uma questão antiga mas que nunca sairá de pauta, principalmente aqui no Brasil onde a legalização do ato é sempre muito discutida.

Pensando neste momento difícil e terrível que algumas mulheres acabam tendo de passar, a ilustradora americana Leah Hayes escreveu um livro para instruir as meninas/mulheres que irão fazer o aborto. Seu livro foi chamado de “Not Funny Ha-Ha: A Handbook for Something Hard” (Não é engraçado Ha-Ha: Um manual para algo difícil, em português) e foi narrado com criativas ilustrações feitas por ela.

“Eu senti que tinha algo a dizer sobre o que é abortar, e desenhar é a minha forma de contar essa história! Não é definir o que é certo ou errado A forma de o fazer pode ser pouco convencional, mas eu quis oferecer uma sensação de conforto e abertura, ao mesmo tempo que demonstrava o peso do assunto” Disse Leah em uma entrevista.

A história conta  um pouco sobre Mary, de 23 anos, e Lisa, de 31, que decidem fazer tipos diferentes de aborto. Existem muitas pessoas que recriminam este assunto, fazendo com que vire um grande tabu perante a sociedade, comportamento este que, na verdade, apenas serve para piorar ainda mais este momento tão delicado, por isto a importância de ensinar e acompanhar todas as que decidem realizar o aborto. Confira algumas das ilustrações logo abaixo:

“Se você descobrir que está grávida mais tarde (por exemplo, não tendo o período), você pode decidir fazer um aborto“.
“Se você descobrir que está grávida mais tarde (por exemplo, não tendo o período), você pode decidir fazer um aborto“.
“Por vezes, essas coisas acontecem”; “Acho que a camisinha furou”; “Uh-oh”
“Por vezes, essas coisas acontecem”; “Acho que a camisinha furou”; “Uh-oh”
“Por quê este livro?” “Existem várias razões pelas quais decidi escrever este livro e compartilhá-lo. O tema do aborto é complicado: é colocado muito foco no certo/errado, deve/não deve, a favor/contra, escolha/não escolha, etc… o discurso político começa quase imediatamente na decisão de abortar ou não, e depois se joga descontroladamente para o final do processo. Você abortou: fez o certo ou errado? É conflituosa? Como você se considera, pró-escolha ou pró-vida? Você se arrepende, de qualquer forma? O que significa se arrepender de um aborto? O que significa se arrepender de não ter feito um aborto? O tema está carregado com ideias e questões pesadas, e muitas vezes impossíveis de responder, tanto felizes como tristes, que nos empoderam ou assustam”.
“Por quê este livro?”
“Existem várias razões pelas quais decidi escrever este livro e compartilhá-lo. O tema do aborto é complicado: é colocado muito foco no certo/errado, deve/não deve, a favor/contra, escolha/não escolha, etc… o discurso político começa quase imediatamente na decisão de abortar ou não, e depois se joga descontroladamente para o final do processo. Você abortou: fez o certo ou errado? É conflituosa? Como você se considera, pró-escolha ou pró-vida? Você se arrepende, de qualquer forma? O que significa se arrepender de um aborto? O que significa se arrepender de não ter feito um aborto? O tema está carregado com ideias e questões pesadas, e muitas vezes impossíveis de responder, tanto felizes como tristes, que nos empoderam ou assustam”.

Aqui no Brasil, como bem sabemos, o aborto é ilegal, porém isto não impede que todos os dias milhares de cirurgias ilegais são feitas em clínicas clandestinas por pessoas incapacitadas para realizar o procedimento, este fato causa a morte de muitas das que abortam através de infecções, hemorragias, dentre outras coisas.

Mas afinal, por que ele é proibido? Simplesmente porque é um atentado a vida do próximo, de seu próprio filho. Eu penso que toda gravidez é uma benção, toda a criança é uma felicidade, tendo sido planejada ou não, porém quem sou eu para impôr minha opinião sob toda uma sociedade? O que adianta obrigar uma mulher que não quer seu filho a ser mãe? Que tipo de vida esta criança vai ter? Será que vale a pena? Eu jamais, em hipótese alguma, realizaria um aborto, porém isto corresponde a mim e no que eu acredito, para mim um bebê sempre trará alegrias e não há problema no mundo que seja mais forte do que a vida de um filho.

Mas é importante saber ver outras situações, existem mulheres que não nasceram para ser mães, que não querem, ou que estão em algum período difícil da vida, talvez acreditem que não tem condições financeiras, ou ainda tempo, enfim, não interessa o motivo. É uma decisão, decisão esta que só cabe a quem esta vivendo aquele momento. Ao menos, é isto que penso. E você? No que acredita? Vamos discutir!

Últimas matérias

8 Comentários

  1. Sabe eu compartilho a minha opinião de todos os assuntos, mas eu acho que o aborto me pega muito,sei lá eu ainda não tenho ideia ou opinião para escrever mais eu acho que todos sabem o que querem da vida, tem uma série (olha eu indicando serie para você) bom voltando tem uma serie chamada Jane the virgin que se vc tiver tempo, eu te convido a pesquisar sobre a serie,porque a serie fala sobre gravidez na juventude e tal,e também trata do assunto de aborto.Bom então essa é minha breve opinião sobre o assunto.

    1. Aborto realmente é um tema muito delicado e divide muitas opiniões… Muito obrigada pela opinião e pela sugestão, Geovanne! 😀

  2. As igrejas evangélicas são as que mais se posicionam contra a prática afirmando que a vida começa na concepção e que, portanto, o aborto é um assassinato. grupos de direitos das mulheres querem descriminalizar a prática alegando que a mulher tem o direito sobre o seu próprio corpo, podendo então interromper a gravidez caso desejar. Eu não concordo com o aborto! Faço suas, minhas palavras! Claro, que o fato de ser evangélico influencia e muito nas minhas opiniões!Êxodo Cap 21; versículos 22;23;24;25 revelam a punição para quem agredir uma mulher grávida! Mas, essa questão não é apenas teológica, mas biológica por ter na ciência a afirmação de que a vida começa na concepção. A genética também aceita tal afirmação pela embriologia e pela medicina fetal. Se a vida começa na concepção, abortar um ser humano, em qualquer estágio da vida dele, é então um assassinato! Sabe quais as diferenças entre um óvulo fecundado e um bebê? O tempo de vida, o tamanho e a forma, o desenvolvimento e o tipo de nutrição! O feto não é uma extensão da mãe. Embora precise do útero dela e tenha uma relação simbiótica com ela, o feto é um ser independente. Logo, ela não tem o direito de tirar-lhe a vida. Além disso, nenhum ser humano tem o poder absoluto sobre o seu próprio corpo. Nós não temos o direito, assegurado por lei, de pôr fim à nossa vida. Se assim não fosse, suicídio e eutanásia não seriam criminalizados. A verdade é que a maioria dos abortos é fruto da promiscuidade e irresponsabilidade de homens e mulheres que fazem sexo sem proteção e com qualquer parceiro. Depois, quando um filho é ‘concebido acidentalmente’, querem livrar-se do ‘fruto indesejado’ a qualquer custo. Para comover a população e obter a simpatia dela à sua causa, os grupos favoráveis ao aborto costumam evocar situações de estupro ou de risco de morte da mulher. Mas esses casos são uma minoria e já são respaldados pela lei. Não devem servir como argumento para a destruição de uma vida inocente, que não pediu para ser gerada e nada pode fazer para se defender contra os que se opõem a ela! Mas, enfim…

    Parabéns pelo o post Amanda, ficou show! VOCÊ É 10!

    1. Nossa, muito obrigada pelo comentário Mateus! Fico muito feliz que goste das postagens aqui do Escrito no Jardim. 😀

  3. Como você bem disse é uma decisao que cabe à quem esta vivendo no momento. Porém nesse momento sao duas vidas e uma ainda nao tem voz para decidir….No meu ver legalizar o aborto é assinar um atestado de incompetência, pois isso poderia se resolver com mais educação e apoio psicológico e com campanhas sociais. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *